sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O que emociona na poesia


Olá...

Esta semana me perguntaram outra coisa que achei importante mostrar aqui, pra meu diarinho...

(na verdade foram feitas muitas perguntas, é possível que eu as traga pra cá...ando um tanto indecisa nos últimos dias...rsrsrs)


Nina Araújo me perguntou:

* O que mais te emociona quando vês um verso que te cativas inteiramente, como identificas esta emoção?

Pois! Eu não sei o que mais me emociona!

Será quando nos identificamos com o que o poema diz?
Será quando lemos o que queremos ler no poema alheio?
Será quando o verso me surpreende, me fazendo babar de admiração pela verve alheia?
Será quando o poema me abre algumas conexões neuronais antes desvinculadas, fazendo plics e plocs dentro da cachola?
Será quando me ponho a viajar por dimensões, revisitando lares e paisagens de que tinha esquecido no vão das desmemórias? Será quando o poema me manda recados?
Será quando o lirismo enleva, me tira os pés do chão e flutuando vou ao reino dos suspiros multicores?




2 comentários:

A.J. Cardiais disse...

Kinda, parece que é tudo isso junto e misturado... Tem coisas que a gente sente, que poderia ter escrito. Tem coisa que a gente gostaria de ter escrito. E tem coisa que a gente sente, que nunca escreveria. Beijos

Anorkinda disse...

huahuahua
viu!

é complicado gostar! mas a gente gosta!

a gente SENTE e isto basta! que mania de definir né?!!
vamos abolir isto? :P

beijaços!